Yoga

Abhyasa e Vairagya: Duas Disciplinas de Yoga para Regulação da Mente

Precisa de orientação e clareza no amor, relacionamento, carreira e muito mais? Clique aqui para obter uma leitura de meditação personalizada

Abhyasa e Vairagya: O Yogasutras de Patanjali é o maior sistema de exploração mental que nos foi apresentado há séculos. É explicado por Maharshi Patanjali que o Yoga é o caminho para se opor aos movimentos descontrolados da mente (Chittavrittis). Assim, a prática mais básica de acordo com Patanjali é a prática mental do Yoga.

Patanjali não limita o estilo de vida do Yoga apenas aos aspectos físicos, mas enfatiza mais a regulação da mente e dos pensamentos que são na maioria das vezes a causa de nossos sofrimentos.

Neste artigo, discutiremos as duas importantes disciplinas dos Yoga Sutras de Patanjali, o “Abhyasa” e o “Vairagya”. Essas duas disciplinas são consideradas o passo fundamental para dominar o pensamento que ocorre na mente. Ao dominar o pensamento, regulamos a mente e, assim, o dominamos.

Os sofrimentos se originam da Mente

Vemos a maioria de nós sofrer os Kleshas (causas do sofrimento) de uma forma ou de outra. Se olharmos para a natureza dos nossos problemas, podemos observar que a maioria deles tem origem na mente. Todos os Chitta vrittis (conversa desnecessária da mente) são os que realmente causam problemas, não problemas mundanos (que parecem ser a causa do sofrimento).

Deixar de ser regulado pela mente e poder regular a própria mente, é um dos objetivos do Yoga. Patanjali aponta as duas disciplinas mais importantes que ajudam a regular a mente e, eventualmente, levam a pessoa à liberdade de todas as impressões da mente.

Essas duas disciplinas são Abhyasa e Vairagya. Eles são explicados no primeiro capítulo do Yoga Sutra “Samadhi Pada” no versículo 1.12. O sutra é assim;


“Abhyavairagyabhyan Tannirodhaha”

Abhyasa e Vairgya são as duas maneiras de acalmar a inquietação da mente.

— Maharishi Patanjali, Yoga Sutras 1.12

Clique aqui para obter uma leitura de meditação personalizada

O que é Abhyasa?

O significado literal da palavra Abhyasa é ‘prática’ ou ‘estudo consistente’. Por exemplo, o estudo do Yoga é chamado Yogabhyasa .

A palavra ‘ Abhyasa’ está enraizada no significado de ‘sentar’. No entanto, Abhyasa não implica qualquer forma de sentar casual. Refere-se aos aspectos mais profundos de sentar, aquele que é persistente, não interrompido por coisas triviais, e aquele em que uma pessoa desfruta sem sentir tédio.

Abhyasa é a condição em que uma pessoa está envolvida em uma prática séria e constrói um impulso nela. Com a prática, ele não apenas se torna melhor, mas também anseia por mais e mais prática.

Assim como um bebê está aprendendo a andar, ele gosta do processo. Ele pode cair muito, mas ainda consegue se levantar e praticar sua habilidade recém-adquirida. É algo que podemos ‘ Abhyasa’.

Através de Abhyasa, a pessoa pode se entregar à prática séria, porém agradável, de suas tarefas espirituais e pode conquistar a mente incontrolável. É o esforço consistente para alinhar nossos sistemas, em ritmo um com o outro.

Abhyasa de acordo com os Yogasutras

No yoga sutra, Abhyasa é definido no Sutra 1.13 e 1.14. Patanjali diz no versículo 1.13;


‘Tatra Sthitau Yatno-bhyasah’.

Abhyasa é a prática ou disciplina empregada para alcançar e permanecer estável no estado de harmonia com nosso próprio eu.

Clique aqui para obter uma leitura de meditação personalizada

— Yoga Sutra 1.13


 

 

No entanto, a estabilidade que é explicada aqui não é de forma temporária. Isso significa que a estabilidade através de Abhyasa, uma vez alcançada, deve estar presente com você a maior parte ou o tempo todo. Só então é considerado Abhyasa.

A repetição persistente da prática espiritual é a chave para descobrir os lados mais calmos da mente e se estabelecer lá. É por isso que Patanjali elabora Abhyasa no versículo 1.14 como a prática feita por um longo tempo, provavelmente anos, sem interrupções. Abhyasa deve ser realizado com grande honra e respeito. É então que uma pessoa se instala em Abhyasa e aprende a negar as modificações da mente. 

Clique aqui para obter uma leitura de meditação personalizada

Depois de explicar Abhyasa, então vem a próxima disciplina Vairagya.

O que é Vairagya?

Vairagya refere-se ao desapego. Muitas vezes interpretamos mal Vairagya pelo comportamento que envolve deixar a família, amigos e se abrigar no Himalaia para a jornada espiritual. No entanto, deve-se notar que Vairagya não é apenas para Sanyasis. É a prática de todos se desapegarem da ação, portanto, das impressões da mente.

A palavra Vairagya está enraizada na palavra ‘raga’, que significa coloração. Mas a palavra Vairagya significa literalmente ficar sem cor. Aqui, incolor é declarado em termos de se livrar das cores dos apegos a pessoas, objetos, idéias e assim por diante, as coisas materialistas.

Por que é necessário praticar o desapego? É porque as cores das conexões que mantemos com outras pessoas ou coisas tendem a influenciar nossa percepção de identificação com nosso próprio eu. De uma forma ou de outra, eles nos causam sofrimento, pois estamos sempre à sua mercê. 

A maneira como temos uma tendência natural para a posse de coisas materialistas na vida, é o primeiro passo que damos em direção ao apego. A prática de refrear a mente de posses desnecessárias é chamada de Aparigraha; o último dos 5 Yamas em yoga. Portanto, Aparigraha pode ser considerado uma prática preparatória de Vairagya.

Vairagya de acordo com os Yogasutras

O versículo 1.15 explica Vairagya como ‘ Drishta Anushravika Vishaya Vritrishnasya Vashikara Sanjna Vairagyam ‘. Significa ‘quando a mente perde desejos pelos objetos que são vistos, descritos na tradição ou mencionados nas escrituras, ela adquire um estado de pura ausência de desejo ( vashikara ). Este estado é chamado Vairagya.

Nossas energias mentais estão sempre presas às coisas prazerosas que vemos ou ouvimos. Patanjali nos pede para extrair essas energias do objeto e dar-lhes um caminho que pode nos levar à liberdade mental. É o primeiro passo para o caminho de Vairagya.

Vairagya é uma qualidade essencial do yogi para obter domínio sobre os apegos visíveis ou invisíveis. É o abandono das falsas impressões da mente que criam interpretações irreais de nós mesmos e do mundo ao nosso redor.

Patanjali elabora ainda mais sobre isso no versículo 1.16 ‘Tat Param Purusha Khyateh Guna Vaitrshnyam’. Significa que o desapego aos elementos mais sutis, aos princípios constituintes ou às próprias qualidades ( 3 Gunas ), alcançado através do conhecimento da consciência pura, é chamado de desapego supremo (Param Vairagya).

Patanjali chama Param Vairagya ou a forma mais elevada de Vairagya para aquele estado em que o yogi está desapegado não apenas dos aspectos grosseiros do mundo, mas também se torna tão desapegado que ele abandona os próprios Sattva, Rajas e Tamas. 

Patanjali diz que quando um yogi é capaz de distinguir entre as impressões verdadeiras e falsas da mente, ele aprende Vairagya. E quando ele está estabelecido em seu verdadeiro eu, ele entende que a verdadeira felicidade está dentro e não fora. Assim, ao renunciar a todos os apegos externos, o yogi é bem-aventurado em seu próprio eu real.

Como Abhyasa e Vairagya trabalham juntos?

Os conceitos de Abhyasa e Vairagya, embora pareçam opostos um do outro, trabalham juntos para permanecer como pilares mentais para regular nossa mente. São os processos complementares para a auto-exploração.

Praticar esses dois significa encontrar um equilíbrio entre esforço e facilidade. Por exemplo, por meio de Abhyasa, você se esforça muito em uma tarefa (ou “Prática”), mas por meio de Vairagya, você encontra facilidade nessa prática por não se apegar a ela. Assim, ambas as disciplinas se complementam.

Abhyasa oferece o caminho certo para a auto-exploração. Considerando que Vairagya garante que você não seja marginalizado desse caminho enquanto explora a si mesmo. Em palavras simples, se Abhyasa ensina você a praticar disciplinas mentais com humildade e respeito, Vairagya garante que você não seja distraído nesse estado pelos apegos do mundo. 

Aplicando Abhyasa e Vairagya no dia-a-dia

Vivemos a vida como seres sociais. Isso significa que tudo o que acontece na sociedade ou em nosso entorno nos afeta física, mental ou emocionalmente. Mudanças crescentes no mundo fora de nós começaram a impactar o mundo dentro de nós. 

Para equilibrar a imagem mental, temos que praticar Abhyasa e Vairagya em nossas vidas diárias. Aqui estão algumas maneiras que podem ajudá-lo a cultivar Abhyasa e Vairagya no dia-a-dia.

1. Combine Esforço e Facilidade

Abhyasa e Vairagya são duas chaves importantes para alcançar um funcionamento mental superior. Para isso, você pode começar combinando práticas de esforço e calmantes à sua rotina de exercícios.

Você pode realizar exercícios rigorosos como jogging, ciclismo, 108 saudações ao sol ou outras práticas de relaxamento do corpo. Depois disso, você pode praticar mais calmantes, como yin yoga, respiração profunda, meditação consciente, etc.

Os esforços que você coloca ao fazer os exercícios diligentes manifestam seu Abhyasa à medida que você os executa cuidadosamente com energia e esforço. Eles tiram seu tédio e limpam sua mente. Considerando que o exercício mais calmo deve ser praticado para alcançar a quietude da mente; para separar a mente das faculdades externas, o que reflete Vairagya.

2. Viaje mentalmente do bruto para o sutil

A prática de Abhyasa e Vairagya pode ser alcançada com esforços cuidadosos. Você tem que observar o que vem e vai de sua mente. Quando você se sentar em seu tapete para meditação ou respiração profunda, certifique-se de estar ciente das projeções de sua mente. 

Ele virá automaticamente se você adotar o método de entender seu funcionamento mental do grosseiro ao sutil. Quando você se sentar para meditar, observe quais são as coisas mais triviais que sua mente está inventando. Quando você aprende e depois dissocia-se deles, você passa para os aspectos mais sutis. 

Este exercício irá pintar um belo quadro de como nossa mente joga pequenos jogos conosco e como através de intensa prática de ioga podemos vencê-los.

3. Mantenha-se envolvido enquanto está ciente de si mesmo

A consciência é a essência da meditação que pode ser a melhor maneira de unir Abhyasa e Vairagya. Por que não somos capazes de continuar a prática por mais tempo (ou seja, Abhayasa) é porque perdemos a consciência em pouco tempo depois de iniciar a prática. Ao estarmos conscientes de nós mesmos em um sentido verdadeiro, podemos resistir à mente que não flui para o positivo ou negativo da prática.

Portanto, a consciência é a chave para manter Abhayasa e Vairagya. Traga consciência em todos os aspectos da vida; estar ciente do que estamos pensando, o que estamos fazendo, o que comemos, como estamos respirando, como estamos nos sentindo, etc.

4. Continue praticando

A chave para permanecer no ritmo de um estilo de vida yogue é nunca deixar de praticar. Abhyasa pode ser uma luta real, mas é o componente mais necessário para alcançar uma saúde mental positiva.

Com a prática regular e esforçada, você pode aprender a diferenciar entre o seu verdadeiro eu e aquele que é formado pela sua mente. Isso o ajudará mais tarde a negar as falsas impressões da mente.

Ao praticar diferentes asanas, mantenha a firmeza. Porque com a firmeza vem a calma e a capacidade de limpar a mente das coisas que distraem.

Portanto, continue praticando o estilo de vida yogue dentro e fora do tatame. Não deixe que as aflições mentais o controlem, em vez disso, através de Abhyasa e Vairagya, ganhe controle sobre a mente.

5. Acompanhando seus anexos e aversões

Como lemos acima, Vairagya não é apenas uma prática de deixar ir, é a prática de não assumir em primeiro lugar. Portanto, para praticar Vairagya na vida diária, você pode fazer uma lista de seus apegos e aversões. Coisas, pessoas, hábitos ou ideias pelas quais você se sente atraído e as coisas, pessoas, hábitos ou ideias pelas quais você tem aversão. 

Este exercício ajuda a entender as coisas que realmente precisamos e as coisas que não precisamos. Uma vez que você entenda a diferença entre o que você realmente quer e o que sua mente está fazendo você querer irracionalmente, você aprende a diferença entre real e irreal. À medida que essa percepção acontece, você pode trabalhar os aspectos de desapego por meio de uma meditação mais profunda.

6. Minimize a coloração da mente

Nossa mente é a especialista em criar um mundo colorido para nós. Às vezes, essas cores são os tons de falsas interpretações de nós mesmos e do mundo. Eles geralmente são refletidos através de nossos prazeres, gostos, desgostos, desejos, ganância, etc. 

Por meio da meditação, respiração profunda e foco, você pode minimizar essa coloração da mente. Quando você está totalmente absorto na prática do yoga, você se vê menos necessitado das coisas materiais. A aceitação chega a você como fruto de uma rotina regular de ioga.

Conclusão

Abhyasa e Vairagya são as duas pernas para caminhar no caminho do Yoga. Se um deles é prejudicado ou não praticado, é impossível alcançar o Samadhi; o objetivo final da ioga. A essência de trazer a mente errante para um lugar está na prática de Abhyasa e Vairagya.

Maharshi Patanjali deu assim a máxima importância a eles como pilares para regular a mente dos instrumentos desnecessários e causadores de problemas. E se estivermos bem estabelecidos nesses aspectos duplos de Abhyasa e Vairagya, certamente podemos saber regular a mente para ver seu Swaroopa (o verdadeiro eu).

 

Avalie este post
[Total: 1 Average: 5]

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
x