Filosofia

Santosha – O Segundo Niyama: Significado e Formas de Praticar

Precisa de orientação e clareza no amor, relacionamento, carreira e muito mais? Clique aqui para obter uma leitura de meditação personalizada

Santosha – Nós, humanos, como civilização, nos rebaixamos severamente em termos de ética e moral. Estamos crivados de corrupção e maduros de ganância. Como resultado, dividimos insensatamente nossas sociedades em facções de privilegiados e desprivilegiados.

E nós exploramos demais os recursos naturais à beira da exaustão. A causa raiz desse ciclo vicioso de corrupção é uma sensação inata de falta dentro de nós; Uma falha em apreciar o que temos e um desejo incessante por mais.

A solução única para todos esses males é o auto-contentamento. O contentamento é uma arte que ensina você a apreciar o que você tem e se contentar com isso. Yoga como um estilo de vida inclui contentamento em sua forma básica, ou seja, Santosha.

Em termos de prática, Santosha compartilha uma relação direta com nosso senso de desejo. A prática de Santosha é controlar seus desejos, e o estado de Santosha é a falta de desejos.

Assim, esta prática yogue concentra-se principalmente em treinar nossa mente para permanecer inabalável pelas distrações do desejo. E quando o treinamento de Santosha é concluído, a mente se torna uma rocha inabalável diante dos desejos.

“Há contentamento e tranquilidade quando a chama do espírito não vacila no vento do desejo.”
~ BKS Iyengar.

O que é Santos?

Santosha é o segundo Niyama que, no sentido mais prático, é o cultivo consciente de uma abordagem que ensina você a aceitar a situação atual com contentamento.

A palavra sânscrita “Santosha” é derivada da adição do prefixo “Sam” (significando completamente) à palavra raiz “Tosha” (significando Contentamento). Assim, em um sentido literal, Santosha significa “satisfação total” ou “satisfação absoluta”. Algumas outras palavras em sânscrito usadas como sinônimo de Santosha são Tushti , Santushti e Tripti .

Santosha como conceito pressupõe que nosso funcionamento interno de contentamento e satisfação pode ser conscientemente regulado, independentemente dos cenários externos.

Clique aqui para obter uma leitura de meditação personalizada

A questão é, no entanto, que o conceito de Santosha está em contraste com as tendências atuais de ganância e corrupção. Nossos desejos cresceram sem fim e se tornaram complexos. Assim, seguir Santosha se tornou cada vez mais difícil. Mas a realidade é que Santosha é a única porta de entrada entre nossa busca sem fim pela felicidade e a verdadeira alegria interior.

Embora não se deva confundir a natureza de aceitação de Santosha, com aceitação cega. A prática não defende a aceitação e os elementos podres de nossa existência. Os elementos nocivos de nossa existência devem ser resolvidos, mas o resolvente inicia apenas com uma aceitação significativa da situação.

O contentamento significa NENHUMA ação?

A ideia de contentamento às vezes pode levar à preguiça e à falta de ambição.

Uma base moral guiada pelos Yamas e Niyamas permitirá uma avaliação prática da realidade, o que ajudará ainda mais a distinguir entre aceitação significativa e aceitação cega.

Pode-se dizer que a aceitação cega resulta da avaliação superficial da realidade. Considerando que a aceitação significativa resulta de uma avaliação mais aprofundada da mesma realidade.

Por exemplo, a ganância existe extensivamente na sociedade, portanto, aceitar a existência da ganância como algo inevitável e deixá-la ser, é uma existência cega. Considerando que avaliar a ganância moral estrita perspectiva moral existente, e descobrir que a razão para a ganância é infundada, é uma aceitação significativa.

No yoga, enquanto praticamos asana, muitas vezes nos encontramos impacientes e forçando a mente e o corpo além de seus limites. Infelizmente, isso causa dano ou himsa. Esta é uma oportunidade adequada para praticar Sanotsha.

Devemos olhar para a nossa prática de asanas e apreciar onde estamos e o que todo o nosso corpo alcançou. Contente-se com o nosso progresso e não arrisque lesões, mas empurre para melhorar as áreas que podem ser confortavelmente melhoradas. Assim, na prática de ioga física, Santosha mantém esse equilíbrio fino entre aceitação e avanço.

Clique aqui para obter uma leitura de meditação personalizada

Esse equilíbrio deve ser buscado no sentido geral, na vida, observando Santosha. Devemos estar contentes e satisfeitos com nosso estado físico e posses materialistas, mas inofensivamente nos esforçamos para estender nosso bem-estar físico, mental e espiritual.

Virtudes que complementam Santosha

Todos os Yamas e Niyamas estão interligados e contribuem um para o outro. No entanto, dois Yamas, em particular, compartilham uma relação muito direta com Santosha, Asteya e Aparigraha.

Asteya é a virtude que constrói uma atitude de não roubar ou de não cobiçar. A causa raiz por trás do roubo é a ganância, que é novamente um resultado direto de um sentimento primordial de falta interior.

Clique aqui para obter uma leitura de meditação personalizada

Essa sensação de falta interior também pode ser interpretada como falta de contentamento. Assim, Asteya e Santosha, em termos de prática, influenciam e beneficiam diretamente um ao outro.

Semelhante é o caso de Aparigraha, que significa não possessividade. Aparigraha refere-se ao desapego das posses materialistas, físicas, emocionais e intelectuais.

Mais uma vez formamos uma relação de posse, com coisas, pessoas, emoções ou pensamentos, da qual desenvolvemos um sentimento de dependência.

Esse sentimento de dependência também se desenvolve a partir de uma falta interna de contentamento. Sendo incapaz de permanecer feliz com o que você tem, você depende de outra fonte para sua felicidade. Assim, as práticas de Aparigraha e Santosha são mutuamente benéficas.

Como praticar Santosha?

As práticas do Santosha podem ser divididas em diferentes categorias, mas ainda assim todas estarão alinhadas com a ideia básica de valorizar o que temos. Praticar o Santosha vai ser difícil, e vai precisar de muito esforço consciente. E esta prática de esforço consciente irá de fato preparar sua mente para aprender austeridade, o próximo Niyama, Tapas.

  • Seja grato – Aprenda a ser grato por tudo o que você tem. Em termos de saúde física, posses financeiras, relacionamentos, interações emocionais e habilidades intelectuais.
  • Apreciar a natureza – Sobrevivemos porque a natureza nos provê. Aprenda a apreciar os recursos naturais da terra e o valor de outros seres vivos ao nosso lado.
  • Contribua mais – Em um mundo impulsionado por receita, ganhos pessoais e sucesso, tente trazer uma mudança introduzindo a felicidade da caridade e contribuição para a sociedade. Deixe a sua ser a mão que cura o seu entorno.
  • Viva no presente – Para apreciar o que você tem, você precisará se concentrar no presente. O passado está cheio de apegos e o futuro está cheio de desejos, se você se amarrar em qualquer um dos dois, o presente irá iludi-lo para sempre.
  • Faça uma lista de gratidão – Anote todas as coisas em sua vida pelas quais você sente gratidão. Isso acionará um lembrete subconsciente de consciência.
  • Envolva-se em interações com a natureza – A natureza é muito grande e extensa, mas você pode selecionar algumas atividades específicas relacionadas à natureza e torná-las parte de sua vida regularmente.
  • Pratique Santosha no Tapete – Não se apresse para aperfeiçoar seu asana. Contente-se com o nível que sua mente e seu corpo alcançaram e trabalhe lentamente para progredir.

Santosha de Praticar Benefícios

Santosha é a sua passagem certeira para o espiritismo. O épico indiano Mahabharata afirma que “Santosha é o céu mais alto, Santosha é a felicidade mais alta”. Assim, a obtenção de Brahman pode ser considerada como o benefício final de Santosha, embora na busca de Santosha se obtenha alguns outros benefícios:

  • Bem-estar de todas as criações – Uma mente auto-satisfeita não é gananciosa e naturalmente não prejudica o seu entorno
  • Sustentabilidade ambiental – Uma mente auto-satisfeita carece de ganância e necessidade de possuir. Assim, ele não se esforça para consumir negligentemente os recursos da Terra.
  • A mente não tem medo – o medo se desenvolve a partir da falta de perder. E a falta de perda se desenvolve a partir do apego. À medida que o auto-satisfação é alcançado, o sentimento de apego desaparece e, com ele, todo o medo.
  • Livre do estresse e da ansiedade – Sem ganância e corrupção, a mente está livre de todos os pensamentos e emoções negativas, que são as principais causas de estresse e ansiedade.
  • Uma mente liberada – Uma mente liberada é aquela que está perfeitamente consciente e ciente da realidade. Na busca do auto-satisfação, a pessoa terá que avaliar e avaliar a realidade muitas vezes. Quando se alcançar Santosha, a realidade estará perfeitamente clara.
  • Aumento das funções nervosas – A avaliação da realidade e a rejeição persistente dos desejos exigirão muita concentração, foco e cognição. Melhorar essas qualidades, consequentemente, melhorará o funcionamento nervoso geral.
  • Melhorias corporais – Estresse e limitações nervosas desencadeiam muitas anormalidades bioquímicas e neuroendócrinas. O que perturba ainda mais muitas funções biológicas em nosso corpo. Santosha elimina a maioria das anormalidades físicas relacionadas ao estresse e nervos.

Referência bíblica

Upanishads do hinduísmo relacionam Santosha com auto-realização e alegria interior. Afirma que a felicidade é acidental, portanto, os sábios não anseiam por ela. O sábio anseia por Santosha, que é o estado livre de todos os apegos terrenos e unificado com a consciência universal.

O hinduísmo como religião também incorpora o conceito de Santosha em seu sistema de crenças. No Bhagavad Gita, o Senhor Sri Krishna afirma que Santosha é um de seus próprios traços divinos que se manifesta nos humanos, e os humanos que exibem esse traço são muito queridos pelo próprio Senhor.

O Bhagavad Gita também afirma que um homem que persistentemente rejeita os desejos alcançará a paz. Em Manu Smriti, verifica-se que Santosha é a causa raiz da felicidade.

E o oposto de Santosha é a causa raiz da infelicidade. Assim, pode-se interpretar que para a maioria das pessoas a felicidade é passageira, porque elas não conseguiram alcançar o contentamento interior completo. Uma vez que Santosha é alcançado, a felicidade se torna eterna.

O hinduísmo em conjunto também sugere que Santosha trata de manter continuamente o contentamento interno, independentemente das flutuações externas. E sempre mantém a calma interior tanto na felicidade quanto na tristeza.

 

Avalie este post
[Total: 1 Average: 5]

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
x