Pin It

Mudras e seu verdadeiro segredo para manifestar riquezas

Mudras

O Sutra Vimalakirti – Uma Breve Visão Geral de Vimalakirti

O Sutra Vimalakirti – Uma Breve Visão Geral de Vimalakirti

O Sutra Vimalakirti Nirdesa, também chamado Sutra Vimalakirti, provavelmente foi escrito há quase 2.000 anos. Ainda mantém a sua frescura e humor, bem como a sua sabedoria.

Os leitores modernos apreciam especialmente sua lição sobre a igualdade das mulheres e o esclarecimento dos leigos.

Como a maioria dos Sutras Budistas Mahayana, as origens do texto não são conhecidas. Acredita-se geralmente que o original era um texto sânscrito datado do século I dC.

A versão mais antiga que sobrevive até os dias atuais é a tradução para o chinês feita por Kumarajiva em 406 EC. Outra tradução chinesa, considerada mais precisa, foi completada por Hsuan Tsang no século VII.

O agora perdido original em sânscrito também foi traduzido para o tibetano, mais autoritariamente por Chos-nyid-tshul-khrims no século IX.

O Sutra Vimalakirti contém sabedoria mais sutil do que pode ser apresentada em um pequeno ensaio, mas aqui está uma breve visão geral do sutra.

História de Sutra Vimalakirti

Neste trabalho alegórico, Vimalakirti é um leigo que debate uma série de discípulos e bodhisattvas e demonstra sua profunda iluminação e compreensão. Apenas o próprio Buda é igual a ele. Assim, o primeiro ponto apresentado no sutra é que a iluminação não depende da ordenação.

Vimalakirti é um Licchavi, um dos clãs governantes da antiga Índia, e ele é tido em alta estima por todos. O segundo capítulo do sutra explica que Vimalakirti finge doença (ou adoece a si próprio), de modo que muitas pessoas, do rei aos plebeus, vêm vê-lo. Ele prega o dharma para aqueles que vêm e muitos de seus visitantes percebem a iluminação.

Nos próximos capítulos, encontramos o Buda dizendo a seus discípulos, bem como bodhisattvas e divindades transcendentes , para irem ver também Vimalakirti. Mas eles relutam em dar desculpas porque no passado todos se sentiram intimidados pela compreensão superior de Vimalakirti.

Até mesmo Manjusri, o bodhisattva da sabedoria, sente-se humilhado por Vimalakirti. Mas ele concorda em ir visitar o leigo. Então uma grande quantidade de discípulos, budas, bodhisattvas, deuses e deusas decidem ir junto para testemunhar porque uma conversa entre Vimalakirti e Manjusri seria incalculavelmente iluminadora.

Na narrativa que se segue, o quarto doente de Vimalakirti se expande para absorver os incontáveis ​​seres que vieram vê-lo, indicando que haviam entrado no reino ilimitado da libertação inconcebível.

Embora não tivessem a intenção de falar, Vimalakirti atrai os discípulos e outros visitantes do Buda para um diálogo em que Vimalakirti desafia sua compreensão e lhes dá instruções.

Enquanto isso, o Buda está ensinando em um jardim. O jardim se expande e o leigo Vimalakirti aparece com seu anfitrião de visitantes. O Buda acrescenta suas próprias palavras de instrução.

O sutra conclui com uma visão do Buda Akshobia e do Universo Abhirati e um epílogo que inclui uma versão das Quatro Confiança.

O Dharma-Door of Nonduality

Se você tivesse que resumir o principal ensinamento do Vimalakirti em uma palavra, essa palavra poderia ser “não-dualidade”. A não-dualidade é um ensinamento profundo especialmente importante para o budismo Mahayana. Em sua forma mais básica, refere-se à percepção sem referência a sujeito e objeto, eu e o outro.

O capítulo 9 do Vimalakirti, “A Porta do Dharma da Não-dualidade”, é possivelmente a seção mais conhecida do sutra. Neste capítulo, Vimalakirti desafia um grupo de bodhisattvas transcendentes para explicar como entrar na porta do dharma. Um após o outro, eles dão exemplos de dualismo e não-dualismo. Por exemplo (da página 74, tradução de Robert Thurman):

O bodhisattva Parigudha declarou: “‘Eu’ e ‘abnegação’ são dualistas. Como a existência do eu não pode ser percebida, o que está aí para ser feito ‘altruísta’? Assim, o não-dualismo da visão de sua natureza é a entrada na não-dualidade. “

O bodhisattva Vidyuddeva declarou: “Conhecimento e ignorância” são dualistas. As naturezas da ignorância e do conhecimento são as mesmas, pois a ignorância é indefinida, incalculável e está além da esfera do pensamento. A percepção disso é a entrada na não-dualidade. “

Um após o outro, os bodhisattvas procuram superar um ao outro em sua compreensão da não-dualidade. Manjusri declara que todos falaram bem, mas até mesmo seus exemplos de não-dualidade permanecem dualistas. Então Manjusri pede a Vimalakirti para oferecer seu ensinamento na entrada da não-dualidade.

Veja mais: Evangelização: Hinduísmo e Budismo

Sariputra permanece em silêncio, e Manjusri diz: “Excelente! Excelente, nobre senhor! Esta é realmente a entrada na não-dualidade dos bodhisattvas. Aqui não há uso para sílabas, sons e idéias.”

A Deusa

Em uma passagem particularmente intrigante no capítulo 7, o discípulo Sariputra pergunta a uma deusa iluminada por que ela não se transforma em seu estado feminino. Isso pode ser uma referência a uma crença comum de que as mulheres devem se transformar para se tornarem homens antes de entrarem no Nirvana.

A deusa responde que “estado feminino” não tem existência inerente. Então ela magicamente faz com que Sariputra assuma seu corpo, enquanto ela assume o dele. É uma cena semelhante à transformação de gênero no romance feminista de Virginia WoolfOrlando, mas escrita quase dois milênios antes.

A deusa desafia Sariputra a se transformar de seu corpo feminino, e Sariputra responde que não há nada para transformar. A deusa responde: “Com isso em mente, o Buda disse: ‘Em todas as coisas, não há nem macho nem fêmea'”.

Veja mais: Evangelização: Hinduísmo e Budismo

Traduções em inglês

Jamie Hubbard, Os Ensinamentos Sagrados de Vimalakirti: Uma Escritura Mahayana (Pennsylvania State University Press, 1976). Esta é uma tradução muito legível do tibetano.






Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.