Pin It

Mudras e seu verdadeiro segredo para manifestar riquezas

Budismo

Budismo no Sri Lanka: Uma breve história

Budismo no Sri Lanka: Uma breve história

Quando o budismo se espalhou para além da Índia, as primeiras nações em que se enraizou foram Gandhara e Ceilão, agora chamadas de Sri Lanka.

Como o budismo acabou morrendo na Índia e em Gandhara, pode-se argumentar que a mais antiga tradição budista viva hoje é encontrada no Sri Lanka.

Hoje, cerca de 70% dos cidadãos do Sri Lanka são budistas Theravada. Este artigo examinará como o budismo chegou ao Sri Lanka, antes chamado Ceilão; como foi desafiado pelos missionários europeus; e como foi revivido.

Como o budismo veio para o Sri Lanka

A história do budismo no Sri Lanka começa com o imperador Ashoka da Índia (304 – 232 aC). Ashoka, o Grande, era um patrono do budismo, e quando o rei Tissa do Ceilão enviou um emissário para a Índia, Ashoka aproveitou a oportunidade para colocar uma boa palavra sobre o budismo para o rei.

Sem esperar por uma reação do rei Tissa, o imperador enviou seu filho Mahinda e sua filha Sanghamitta – um monge e uma freira – para a corte de Tissa. Logo o rei e sua corte foram convertidos.

Por vários séculos, o budismo floresceu no Ceilão. Os viajantes relataram muitos milhares de monges e templos magníficos. A Canon Pali foi escrita pela primeira vez no Ceilão.

No século V, o grande erudito indiano Buddhaghosa foi ao Ceilão para estudar e escrever seus famosos comentários. A partir do século VI, no entanto, a instabilidade política dentro do Ceilão combinada com as invasões dos tâmeis do sul da Índia fez com que o apoio ao budismo diminuísse.

Entre os séculos XII e XIV, o budismo recuperou muito de sua energia e influência anteriores. Então enfrentou seu maior desafio – os europeus.

Mercenários, Mercadores e Missionários

Lourenço de Almeida (falecido em 1508), um capitão de navio português, desembarcou no Ceilão em 1505 e estabeleceu um porto em Colombo.

Na época, o Ceilão foi dividido em vários reinos em guerra, e os portugueses aproveitaram o caos para ganhar o controle das costas da ilha.

Os portugueses não tinham tolerância para o budismo. Eles destruíram monastérios, bibliotecas e arte. Qualquer monge apanhado usando um manto de açafrão foi executado.

De acordo com alguns relatos – possivelmente exagerados – quando os portugueses finalmente foram expulsos do Ceilão em 1658, apenas cinco monges plenamente ordenados permaneceram.

Os portugueses foram expulsos pelos holandeses, que assumiram o controle da ilha até 1795. Os holandeses estavam mais interessados ​​no comércio do que no budismo e deixaram os monastérios remanescentes sozinhos.

No entanto, os cingaleses descobriram que sob o domínio holandês havia vantagens em se tornar cristão; Os cristãos tinham status civil mais elevado, por exemplo. Os convertidos eram às vezes chamados de “cristãos do governo”.

Durante a agitação das guerras napoleônicas, a Grã-Bretanha conseguiu tomar o Ceilão em 1796. Logo os missionários cristãos estavam entrando no Ceilão.

O governo britânico encorajou as missões cristãs, acreditando que o cristianismo teria um efeito “civilizador” sobre os “nativos”. Os missionários abriram escolas em toda a ilha para converter o povo do Ceilão de sua “idolatria”.

No século XIX, as instituições budistas no Ceilão eram moribundas e as pessoas ignoravam amplamente a tradição espiritual de seus ancestrais. Então, três homens notáveis ​​transformaram esse estado de coisas em sua cabeça.

Budismo no Sri Lanka: O renascimento

Em 1866, um jovem e carismático monge chamado Mohottivatte Gunananda (1823-1890) desafiou os missionários cristãos para um grande debate.

Gunananda estava bem preparado. Ele havia estudado não apenas as escrituras cristãs, mas também os escritos racionalistas do Ocidente que criticavam o cristianismo. Ele já estava viajando pelo país da ilha pedindo um retorno ao budismo e atraindo milhares de ouvintes arrebatados.

Em uma série de debates realizados em 1866, 1871 e 1873, Gunananda, sozinho, debateu os principais missionários no Ceilão sobre os méritos relativos de suas religiões. Para os budistas do Ceilão, Gunananda era o vencedor das mãos a cada vez.

Em 1880, Gunananda se uniu a um parceiro improvável – Henry Steel Olcott (1832-1907), um advogado de alfândega de Nova York que abandonara sua prática para buscar a sabedoria do Oriente.

Olcott também viajou pelo Ceilão, às vezes na companhia de Gunananda, distribuindo folhetos pró-budistas e anti-cristãos. Olcott agitava-se pelos direitos civis budistas, escreveu um catecismo budista ainda em uso hoje e fundou várias escolas.

Em 1883, Olcott foi acompanhado por um jovem cingalês que tinha tomado o nome de Anagarika Dharmapala. Nascido David Hewivitarne, Dharmapala (1864-1933) recebera uma educação completamente cristã nas escolas missionárias do Ceilão.

Quando ele escolheu o budismo sobre o cristianismo, ele adotou o nome de Dharmapala, que significa “protetor do dharma”, e o título Anagarika, de “sem-teto”. Ele não fez votos monásticos completos, mas viveu os oito votos de Uposatha diariamente pelo resto de sua vida.

A Dharmapala juntou-se à Sociedade Teosófica fundada por Olcott e sua parceira, Helena Petrovna Blavatsky, e tornou-se tradutora de Olcott e Blavatsky.

No entanto, os teosofistas acreditavam que todas as religiões tinham uma base comum, um princípio rejeitado por Dharmapala, e ele e os teosofistas acabaram se separando.

A Dharmapala trabalhou incansavelmente para promover o estudo e a prática do budismo, no Ceilão e além. Ele era particularmente sensível ao modo como o budismo estava sendo apresentado no Ocidente.

Em 1893 ele viajou para Chicago para o Parlamento Mundial das Religiões e apresentou um artigo sobre o budismo que enfatizava a harmonia do budismo com a ciência e o pensamento racional. O Dharmapala influenciou muito a impressão do budismo no Ocidente.

Budismo no Sri Lanka: Depois do renascimento

No século 20, o povo do Ceilão ganhou mais autonomia e, eventualmente, independência da Grã-Bretanha, tornando-se o Soberano Livre e a República Independente do Sri Lanka em 1956. Sri Lanka teve mais do que sua parcela de agitação desde então. Mas o budismo no Sri Lanka é tão forte quanto sempre foi.

 

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.