Pin It

Mudras e seu verdadeiro segredo para manifestar riquezas

Budismo

Quem foi Padmasambhava? Precioso Guru do Budismo Tibetano

Quem foi Padmasambhava? Precioso Guru do Budismo Tibetano

Padmasambhava era um mestre do tantra budista do século VIII, a quem se atribui a contribuição do Vajrayana ao Tibete e ao Butão. Ele é reverenciado hoje como um dos grandes patriarcas do budismo tibetano e fundador da escola Nyinmapa, bem como o construtor do primeiro mosteiro do Tibete.

Na iconografia tibetana, ele é a personificação do dharmakaya. Ele é às vezes chamado de “Guru Rinpoche”, ou precioso guru.

Padmasambhava pode ter sido de Uddiyana, que ficava no que hoje é o Vale do Swat, no norte do Paquistão. Ele foi levado ao Tibete durante o reinado do imperador Trisong Detsen (742 a 797). Ele está associado à construção do primeiro mosteiro budista no Tibete, Samye Gompa.

Padmasambhava na História

A narrativa histórica da vida de Padmasambhava começa com outro mestre budista chamado Shantarakshita. Shantarakshita veio do Nepal a convite do Imperador Trisong Detsen, que estava interessado no budismo.

Infelizmente, os tibetanos temiam que Shantarakshita praticasse magia negra e ele foi mantido em detenção por alguns meses. Além disso, ninguém falava sua língua. Meses se passaram antes que um tradutor fosse encontrado.

Eventualmente, Shantarakshita ganhou a confiança do Imperador e foi autorizado a ensinar. Algum tempo depois disso, o imperador anunciou planos para construir um grande mosteiro.

Mas uma série de desastres naturais – templos inundados, castelos atingidos por raios – agitou os temores dos tibetanos de que seus deuses locais estavam zangados com os planos para o templo. O imperador mandou Shantarakshita de volta ao Nepal.

Algum tempo se passou e os desastres foram esquecidos. O imperador pediu a Shantarakshita para retornar. Mas desta vez Shantarakshita trouxe outro guru com ele – Padmasambhava, que era um mestre dos rituais para domar os demônios.

Relatos antigos dizem que Padmasambhava adivinhou quais demônios estavam causando os problemas e, um a um, os chamou pelo nome. Ele ameaçou cada demônio, e Shantarakshita – através de um tradutor – ensinou-lhes sobre o karma. Quando terminou, Padmasambhava informou ao imperador que o prédio de seu mosteiro poderia começar.

No entanto, Padmasambhava ainda era visto com suspeita por muitos na corte de Trisong Detsen. Rumores circulavam que ele usaria magia para tomar o poder e depor o imperador. Por fim, o Imperador ficou preocupado o suficiente para sugerir que Padmasambhava deixasse o Tibete.

Padmasambhava ficou zangado, mas concordou em sair. O Imperador ainda estava preocupado, então ele enviou arqueiros depois de Padmasambhava para pôr fim a ele. As lendas dizem que Padmasambhava usou magia para congelar seus assassinos e assim escapou.

Padmasambhava na mitologia tibetana

Com o passar do tempo, a lenda de Padmasambhava cresceu. O relato completo do papel icônico e mitológico de Padmasambhava no budismo tibetano preencheria volumes, e há histórias e lendas sobre ele além da contagem. Aqui está uma versão muito abreviada da história mítica de Padmasambhava.

Padmasambhava – cujo nome significa “nascido do lótus” – nasceu aos oito anos de idade a partir de um lótus em flor no lago Dhanakosha em Uddiyana. Ele foi adotado pelo rei de Uddiyana. Na idade adulta, ele foi expulso de Uddiyana por espíritos malignos.

Eventualmente, ele veio para Bodh Gaya, o lugar onde o Buda histórico realizou a iluminação e foi ordenado monge. Ele estudou na grande universidade budista de Nalanda, na Índia, e foi orientado por muitos professores e guias espirituais significativos.

Ele foi para o Vale do Cima e se tornou discípulo de um grande iogue chamado Sri Simha, e recebeu capacitações e ensinamentos tântricos. Então ele foi para o vale de Kathmandu, no Nepal, onde ele viveu em uma caverna com o primeiro de seus consortes, Mandarava (também chamado Sukhavati).

Enquanto esteve lá, o casal recebeu textos sobre Vajrakilaya, uma importante prática tântrica. Através de Vajrakilaya, Padmasambhava e Mandarava realizaram grande iluminação.

Padmasambhava tornou-se um professor de renome. Em muitas ocasiões, ele realizou milagres que trouxeram demônios sob controle. Essa habilidade acabou levando-o ao Tibete para limpar o local do monastério do imperador dos demônios.

Os demônios – os deuses da religião indígena tibetana – foram convertidos ao budismo e se tornaram dharmapalas, ou protetores do dharma.

Uma vez que os demônios foram pacificados, a construção do primeiro mosteiro do Tibete poderia ser concluída. Os primeiros monges deste monastério, Samye, foram os primeiros monges do budismo Nyingmapa.

Padmasambhava retornou ao Nepal, mas sete anos depois voltou ao Tibete. O Imperador Trisong Detsen ficou tão feliz em vê-lo que ofereceu a Padmasambhava toda a riqueza do Tibete.

O mestre tântrico recusou esses presentes. Mas ele aceitou uma dama do harém do Imperador, a princesa Yeshe Tsogyal, como sua segunda consorte, desde que a princesa aceitasse o relacionamento de seu livre-arbítrio.

Juntamente com Yeshe Tsogyal, Padmasambhava escondeu uma série de textos místicos ( terma ) no Tibete e em outros lugares. Terma são encontrados quando os discípulos estão prontos para entendê-los. Um terma é o Bardo Thodol, conhecido em inglês como o “Livro Tibetano dos Mortos”.

Yeshe Tsogyal se tornou herdeira do dharma de Padmasambhava, e ela transmitiu os ensinamentos Dzogchen para seus discípulos. Padmasambhava tinha outras três consortes e as cinco mulheres são chamadas de Cinco Sabedoria Dakinis.

No ano seguinte à morte de Tri-song Detsan, Padmasambava deixou o Tibete pela última vez. Ele habita em espírito em um campo búdico puro, Akanishta.

Padmasambhava Iconografia

Na arte tibetana, Padmasambhava é representado em oito aspectos:

Pema Gyalpo (Padmaraja) de Uddiyana, o príncipe dos lótus. Ele é descrito como um jovem príncipe.

Lo-den Chokse (Sthiramati) da Caxemira, a Juventude Inteligente, bate um tambor e segura uma tigela de caveira.

Sakya-seng-ge (Bhikshu Sakyasimha) de Bodh Gaya, Leão dos Sakyas, é retratado como um monge ordenado.

Nyima O-zer (Suryabhasa) de Cina, o Sunray Yogi, usa apenas uma tanga e segura um tridente apontando para o sol.

Seng-ge Dra-dok (Vadisimha) da Universidade de Nalanda, o Leão do Debate. Ele geralmente é azul-escuro e tem um dorje em uma mão e um escorpião na outra.

Pema Jung-ne (Padmasambava) de Zahor, nascido em lótus, usa vestes de monges e segura uma tigela de caveira.

Pemakara do Tibete, Criadora de Lótus, senta-se em uma flor de lótus, usando mantos de monge tibetano e botas tibetanas. Ele segura um vajra na mão direita e uma tigela de caveira na esquerda. Ele tem uma equipe de tridente e uma coroa de pano nepalesa.

Dorje Dro-lo do Butão é uma manifestação colérica conhecida como “Diamond Guts”.

Veja mais: Evangelização: Hinduísmo e Budismo



 

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.