Pin It

Mudras e seu verdadeiro segredo para manifestar riquezas

Budismo

O Sutra de Lótus – Um Sutra Reverenciado do Budismo Mahayana

O Sutra de Lótus – Um Sutra Reverenciado do Budismo Mahayana

Das incontáveis ​​escrituras do Budismo Mahayana, poucas são mais lidas ou reverenciadas do que o Sutra de Lótus. Seus ensinamentos permeiam completamente a maioria das escolas do budismo na China, Coréia e Japão. No entanto, suas origens estão envoltas em mistério.

O nome do sutra em sânscrito é Maha Saddharma-pundarika Sutra, ou “Grande Sutra do Lótus da Maravilhosa Lei”. É uma questão de fé em algumas escolas do budismo que o sutra contenha as palavras do Buda histórico.

No entanto, a maioria dos historiadores acredita que o Sutra foi escrito no primeiro ou segundo século EC, provavelmente por mais de um escritor. Uma tradução foi feita do sânscrito para o chinês em 255 dC, e esta é a mais antiga documentação histórica de sua existência.

Tal como acontece com muitos dos sutras Mahayana, o texto original do Sutra de Lótus está perdido. As várias traduções chinesas antigas são as versões mais antigas do sutra que nos restam.

Em particular, acredita-se que uma tradução para o chinês pelo monge Kamarajiva em 406 EC é a mais fiel ao texto original.

Na China do século VI, o Sutra de Lótus foi promovido como o supremo sutra pelo monge Zhiyi (538-597; também escrito Chih-i), fundador da escola Tiantai do Budismo Mahayana, chamado Tendai no Japão.

Em parte através da influência Tendai, o Lótus tornou-se o Sutra mais venerado do Japão. Influenciou profundamente o Zen japonês e também é um objeto de devoção da escola Nichiren.

O cenário do Sutra de Lótus

No budismo, um sutra é um sermão do Buda ou um de seus principais discípulos. Os sutras budistas geralmente começam com as palavras tradicionais: “Assim ouvi falar”.

Este é um aceno para a história de Ananda, que recitou todos os sermões históricos do Buda no Primeiro Conselho Budista e foi dito que começou cada recitação dessa maneira.

O Sutra de Lótus começa: “Assim ouvi dizer. Em certa ocasião, o Buda estava em Rajagriha, permanecendo no Monte Gridhrakuta”. Rajagriha era uma cidade no local do atual Rajgir, no nordeste da Índia, e Gridhrakuta, ou “Pico do Abutre”, fica nas proximidades. Assim, o Sutra de Lótus começa fazendo uma conexão com um lugar real associado ao Buda histórico.

No entanto, em poucas frases, o leitor terá deixado o mundo fenomenal para trás. A cena se abre para um lugar fora do tempo e do espaço comuns.

O Buda é assistido por um inimaginável número de seres, tanto humanos como não humanos – monges, monjas, leigos, leigas, seres celestiais, dragões, garudas e muitos outros, incluindo bodhisattvas e arhats. Nesse vasto espaço, dezoito mil mundos são iluminados por uma luz refletida por um fio de cabelo entre as sobrancelhas do Buda.

O Sutra é dividido em vários capítulos – 28 na tradução Kamarajiva – nos quais o Buda ou outros seres oferecem sermões e parábolas. O texto, em parte em prosa e em parte verso, contém algumas das mais belas passagens da literatura religiosa do mundo.

Pode levar anos para absorver todos os ensinamentos em um texto tão rico. No entanto, três temas principais dominam o Sutra de Lótus.

Todos os veículos são um veículo

Nas primeiras passagens, o Buda diz à assembléia que seus ensinamentos anteriores eram provisórios. As pessoas não estavam preparadas para o seu mais alto ensinamento, disse ele, e tiveram que ser levadas à iluminação por meios convenientes. Mas o Lótus representa o ensinamento final e mais elevado e substitui todos os outros ensinamentos.

Em particular, o Buda abordou a doutrina da triyana, ou “três veículos” para o Nirvana. Muito simplesmente, a triyana descreve pessoas que realizam a iluminação ouvindo os sermões do Buda, pessoas que realizam a iluminação por si mesmas através do seu próprio esforço, e o caminho do bodhisattva.

Mas o Sutra de Lótus diz que os três veículos são um veículo, o veículo do Buda, através do qual todos os seres se tornam budas.

Todos os seres podem se tornar budas

Um tema expresso em todo o Sutra é que todos os seres atingirão o estado de Buda e alcançarão o Nirvana.

O Buda é apresentado no Sutra de Lótus como dharmakaya – a unidade de todas as coisas e seres, não manifestados, além da existência ou inexistência, desvinculados pelo tempo e pelo espaço.

Como o dharmakaya é todos os seres, todos os seres têm o potencial de despertar para sua verdadeira natureza e atingir o estado de Buda.

A importância da fé e devoção

O estado de Buda não pode ser alcançado apenas através do intelecto. De fato, a visão Mahayana é que o ensino absoluto não pode ser expresso em palavras ou entendido pela cognição comum.

O Sutra de Lótus enfatiza a importância da fé e da devoção como meios para a realização da iluminação. Entre outros pontos significativos, a ênfase na fé e na devoção torna o estado de Buda mais acessível aos leigos, que não passam suas vidas na prática monástica ascética.

As parábolas

Uma característica distintiva do Sutra de Lótus é o uso de parábolas . As parábolas contêm muitas camadas de metáforas que inspiraram muitas camadas de interpretação. Esta é apenas uma lista das principais parábolas:

A Casa Ardente. Um homem deve atrair seus filhos jogando fora de uma casa em chamas (Capítulo 3).

O filho pródigo. Um homem pobre, auto-aversão, gradualmente aprende que ele é rico além da medida (Capítulo 4).

As ervas medicinais. Embora cresçam no mesmo solo e recebam a mesma chuva, as plantas crescem de maneiras diferentes (Capítulo 5).

A cidade fantasma. Um homem guiando as pessoas em uma jornada difícil evoca uma ilusão de uma cidade bonita para dar-lhes o coração para continuar (Capítulo 7).

A jóia no casaco. Um homem costura uma pedra na jaqueta do amigo. Contudo, o amigo vagueia na pobreza sem saber que possui uma jóia de grande valor (Capítulo 8).

A jóia no nó do rei. Um rei dá muitos presentes, mas reserva sua jóia mais preciosa para uma pessoa de mérito excepcional (Capítulo 14).

O excelente médico. Os filhos de um médico estão morrendo de veneno, mas não têm o bom senso de tomar remédio (Capítulo 16).

Traduções

A tradução de Burton Watson do Sutra do Lótus (Columbia University Press, 1993) ganhou grande popularidade desde sua publicação por sua clareza e legibilidade.

Uma tradução mais recente do The Lotus Sutra por Gene Reeves (Wisdom Publications, 2008) também é muito legível e tem sido elogiada pelos revisores.




Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.