Hindusmo

O Império Gupta: A Era de Ouro da Índia

O Império Gupta pode ter durado apenas cerca de 230 anos (c. 319-543 dC), mas foi caracterizado por uma cultura sofisticada, com avanços inovadores na literatura, artes e ciências.

Sua influência continua sendo sentida na arte, na dança, na matemática e em muitos outros campos atualmente, não apenas na Índia, mas na Ásia e no mundo.

Chamado de Era de Ouro da Índia pela maioria dos estudiosos, o Império Gupta provavelmente foi fundado por um membro de uma casta hindu mais baixa chamada Sri Gupta (240-280 dC).

Ele veio do Vaishya ou casta de fazendeiros e fundou a nova dinastia em reação aos abusos de governantes principescos anteriores.

Os Gupta eram Vaishnavas ardentes, devotos de Vishnu (o “Ser Supremo da Verdade” da seita) e governavam como monarcas hindus tradicionais.

Avanços da Idade de Ouro da Índia Clássica

Durante essa Idade de Ouro, a Índia fazia parte de uma rede de comércio internacional que também incluía outros grandes impérios clássicos da época, a Dinastia Han na China, a leste, e o Império Romano, a oeste.

O famoso peregrino chinês na Índia, Fa Hsien (Faxien) observou que a lei Gupta era excepcionalmente generosa; os crimes eram punidos apenas com multas.

Os governantes patrocinaram avanços na ciência, pintura, têxtil, arquitetura e literatura. Os artistas de Gupta criaram esculturas e pinturas maravilhosas, talvez incluindo as cavernas de Ajanta.

A arquitetura sobrevivente inclui palácios e templos criados especificamente para as religiões hindu e budista, como o Templo Parvati em Nachana Kuthara e o Templo Dashavatara em Deogarh em Madhya Pradesh.

Novas formas de música e dança, algumas das quais ainda hoje são realizadas, floresceram sob o patrocínio de Gupta. Os imperadores também fundaram hospitais gratuitos para seus cidadãos, além de mosteiros e universidades.

A língua sânscrita clássica atingiu seu apogeu também neste período, com poetas como Kalidasa e Dandi. Os textos antigos do Mahabharata e Ramayana foram convertidos em textos sagrados e os Vau e Matsya Puranas foram compostos.

Os avanços científicos e matemáticos incluem a invenção do número zero, o cálculo surpreendentemente preciso de Aryabhata de pi como 3,1416 e seu cálculo igualmente surpreendente de que o ano solar dura 365,358 dias.

Estabelecendo a dinastia Gupta

Por volta de 320 EC, o chefe de um pequeno reino chamado Magadha, no sudeste da Índia, decidiu conquistar os reinos vizinhos de Prayaga e Saketa.

Ele usou uma combinação de poder militar e alianças de casamento para expandir seu reino em um império. Seu nome era Chandragupta I e, através de suas conquistas, ele formou o Império Gupta.

Muitos estudiosos acreditam que a família de Chandragupta era da casta Vaishya, que era a terceira de quatro no sistema tradicional de castas hindus.

Nesse caso, esse foi um grande afastamento da tradição hindu, na qual a casta sacerdotal brâmane e a classe guerreira / principesca Kshatriya geralmente detinham poder religioso e secular sobre as castas inferiores.

De qualquer forma, Chandragupta subiu da relativa obscuridade para reunir grande parte do subcontinente indiano, que havia se fragmentado cinco séculos antes após a queda do Império Mauryan em 185 aC.

Governantes da dinastia Gupta

O filho de Chandragupta, Samudragupta (governou 335-380 dC), era um brilhante guerreiro e estadista, às vezes chamado de “Napoleão da Índia”. Samudragupta, no entanto, nunca enfrentou um Waterloo, e foi capaz de transmitir um império Gupta bastante expandido a seus filhos.

Ele estendeu o império ao planalto de Deccan, no sul, Punjab, ao norte, e Assam, ao leste. Samudragupta também foi um talentoso poeta e músico. Seu sucessor foi Ramagupta, um governante ineficaz, que logo foi deposto e assassinado por seu irmão, Chandragupta II.

Chandragupta II (r. 380–415 dC) expandiu o império ainda mais, em sua maior extensão. Ele conquistou grande parte de Gujarat no oeste da Índia.

Como seu avô, Chandragupta II também usou alianças de casamento para expandir o império, casando-se com o controle de Maharashtra e Madhya Pradesh e adicionando as ricas províncias de Punjab, Malwa, Rajputana, Saurashtra e Gujarat.

A cidade de Ujjain, em Madhya Pradesh, tornou-se uma segunda capital do Império Gupta, que ficava em Pataliputra, no norte.

Kumaragupta Eu sucedeu seu pai em 415 e governei por 40 anos. Seu filho, Skandagupta (r. 455–467 dC), é considerado o último dos grandes governantes de Gupta.

Durante seu reinado, o Império Gupta enfrentou incursões pelos hunos, que acabariam por derrubar o império. Depois dele, imperadores menores, incluindo Narasimha Gupta, Kumaragupta II, Buddhagupta e Vishnugupta, governaram o declínio do Império Gupta.

Embora o falecido governante de Gupta, Narasimhagupta, tenha conseguido expulsar os hunos do norte da Índia em 528 CE, o esforço e as despesas condenaram a dinastia.

O último imperador reconhecido do Império Gupta foi Vishnugupta, que governou de cerca de 540 até o império desmoronar por volta de 550 EC.

Declínio e Queda do Império Gupta

Como no colapso de outros sistemas políticos clássicos, o Império Gupta desmoronou sob pressões internas e externas.

Internamente, a dinastia Gupta ficou fraca devido a várias disputas sucessórias. Quando os imperadores perderam o poder, os senhores regionais ganharam crescente autonomia.

Em um império em expansão com liderança fraca, era fácil as rebeliões em Gujarat ou Bengala irromperem, e difícil para os imperadores Gupta reprimirem tais revoltas.

Em 500 dC, muitos príncipes regionais declaravam sua independência e se recusavam a pagar impostos ao estado central de Gupta. Estes incluíram a dinastia Maukhari, que governou Uttar Pradesh e Magadha.

Na época posterior de Gupta, o governo estava tendo problemas para coletar impostos suficientes para financiar sua burocracia extremamente complexa e guerras constantes contra invasores estrangeiros como os Pushyamitras e os Hunos.

Em parte, isso se devia à antipatia das pessoas comuns pela burocracia intrometida e pesada. Mesmo aqueles que sentiam uma lealdade pessoal ao imperador Gupta geralmente não gostavam de seu governo e ficavam felizes em evitar pagar por isso, se pudessem. Outro fator, é claro, foram as rebeliões quase constantes entre as diferentes províncias do império.

Invasões

Além das disputas internas, o Império Gupta enfrentava constantes ameaças de invasão do norte. O custo de combater essas invasões drenou o tesouro de Gupta, e o governo teve dificuldade em reabastecer os cofres.

Entre os mais problemáticos dos invasores estavam os Hunos Brancos (ou Hunas), que conquistaram grande parte da seção noroeste do território de Gupta em 500 CE.

Os ataques iniciais dos hunos à Índia foram liderados por um homem chamado Toramana ou Toraraya nos registros de Gupta; esses documentos mostram que suas tropas começaram a capturar estados feudatórios dos domínios de Gupta por volta do ano 500. Em 510 dC, Toramana desceu ao centro da Índia e infligiu uma derrota decisiva em Eran, no rio Ganges.

O fim da dinastia

Os registros indicam que a reputação de Toramana era forte o suficiente para que alguns príncipes se submetessem voluntariamente ao seu domínio.

No entanto, os registros não especificam por que os príncipes se submeteram: se ele tinha uma reputação de grande estrategista militar, era um tirano sedento de sangue, era um governante melhor do que as alternativas de Gupta, ou qualquer outra coisa. Eventualmente, esse ramo dos hunos adotou o hinduísmo e foi assimilado pela sociedade indiana.

Embora nenhum dos grupos invasores tenha conseguido invadir completamente o Império Gupta, as dificuldades financeiras das batalhas ajudaram a acelerar o fim da dinastia.

Quase inacreditavelmente, os hunos, ou seus ancestrais diretos, os Xiongnu, tiveram o mesmo efeito em duas das outras grandes civilizações clássicas dos séculos anteriores: Han China, que entrou em colapso em 221 CE e o Império Romano, que caiu em 476 CE.

 

Avalie este post
[Total: 1 Average: 5]

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.