Budismo

Os Ensinamentos Budistas do Eu e Não-Eu

Entre todos os ensinamentos do Buda, aqueles sobre a natureza do eu são os mais difíceis de entender, mas são centrais para as crenças espirituais. De fato, “perceber plenamente a natureza do eu” é uma maneira de definir a iluminação.

Os cinco skandhas

O Buda ensinou que um indivíduo é uma combinação de cinco agregados da existência, também chamados os Cinco Skandhas ou os cinco montes:

  1. Formato
  2. Sensação
  3. Percepção
  4. Formações Mentais
  5. Consciência

Várias escolas do budismo interpretam os skandhas de maneiras diferentes. Geralmente, o primeiro skandha é a nossa forma física. O segundo é composto de nossos sentimentos – tanto emocionais quanto físicos – e nossos sentidos – ver, ouvir, saborear, tocar, cheirar.

O terceiro skandha, percepção, absorve a maior parte do que chamamos de pensamento – conceituação, cognição, raciocínio. Isso também inclui o reconhecimento que ocorre quando um órgão entra em contato com um objeto.

A percepção pode ser pensada como “aquilo que identifica”. O objeto percebido pode ser um objeto físico ou mental, como uma ideia.

O quarto skandha, formações mentais, inclui hábitos, preconceitos e predisposições. Nossa vontade, ou voluntariedade, também faz parte do quarto skandha, assim como atenção, fé, conscienciosidade, orgulho, desejo, vingança e muitos outros estados mentais virtuosos e não virtuosos. As causas e efeitos do karma são especialmente importantes para o quarto skandha.

O quinto skandha, consciência, é consciência ou sensibilidade a um objeto, mas sem conceituação. Uma vez que haja consciência, o terceiro skandha pode reconhecer o objeto e atribuir-lhe um valor conceitual, e o quarto skandha pode reagir com desejo ou repulsa ou alguma outra formação mental.

O quinto skandha é explicado em algumas escolas como uma base que liga a experiência da vida em conjunto.

O eu é não-eu

O que é mais importante entender sobre os skandhas é que eles estão vazios. Eles não são qualidades que um indivíduo possui porque não existe possuindo-os. Esta doutrina do não-eu é chamada anatman ou anatta.

Basicamente, o Buda ensinou que “você” não é uma entidade integral e autônoma. O eu individual, ou o que poderíamos chamar de ego, é mais corretamente considerado um subproduto dos skandhas.

Na superfície, isso parece ser um ensinamento niilista. Mas o Buda ensinou que, se pudermos ver através da ilusão do pequeno eu individual, experimentamos aquilo que não está sujeito ao nascimento e à morte.

Dois modos de exibição

Além deste ponto, o Budismo Theravada e o Budismo Mahayana diferem em como o anatman é entendido. De fato, mais do que qualquer outra coisa, é a diferente compreensão do eu que define e separa as duas escolas.

Basicamente, Theravada considera anatman como significando que o ego ou a personalidade de um indivíduo é um grilhão e uma ilusão. Uma vez libertado dessa ilusão, o indivíduo pode desfrutar da bem-aventurança do Nirvana.

O Mahayana, por outro lado, considera todas as formas físicas como nulas do eu intrínseco, ensinando shunyata, que significa “vazio”. O ideal no Mahayana é capacitar todos os seres a serem iluminados juntos, não apenas por um senso de compaixão, mas porque não somos seres autônomos realmente separados.

 

Avalie este post
[Total: 0 Average: 0]

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.